No primeiro artigo sobre o assunto, ressaltamos a importância de consolidar bem a sua marca no mercado interno antes de pensar em internacionalizar.

E isso, leva em conta alguns motivos importantes, pois operar no comércio exterior tem muitas vantagens, porém muitas responsabilidades.

Então, no artigo de hoje vamos listar algumas vantagens e algumas dicas preciosas para quem quer começar ou consolidar suas operações no comércio exterior.

Boa leitura.

Vantagens de ingressas no comércio exterior

Cada vez mais vemos a globalização atingir até os mais remotos locais pelo mundo. O advento da internet banda larga mais acessível à população, tornou o planeta mais conectado e as oportunidades estão ao alcance de todos, basta saber procurar.

Com isso em mente, hoje em dia o seu produto ou serviço pode ser encontrado por qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, com um custo relativamente baixo, através das redes sociais. No entanto, não basta as pessoas terem conhecimento do seu produto, se não souberem bem qual a sua marca e o que ela representa.

Por isso reforçamos a ideia de consolidar a empresa no país e apenas transpor isso para o exterior, de forma integra. Assim, você pode começar a aproveitar muitas vantagens como:

  • Expandir a sua demanda
  • Buscar novos nichos
  • Construir uma marca global
  • Diversificar seu negócio
  • Melhorar seus produtos e serviços
  • Ganhar experiência internacional

E ainda, você consegue se planejar de forma a trazer um crescimento exponencial para o seu negócio.

É claro que esse não é um processo tão fácil, mas com um pouco de conhecimento e auxilio, é possível ser executado. E não se engane achando que é apenas coisa de grandes empresas, muito pelo contrário, o determinante para internacionalizar sua marca é organização e responsabilidade.

Internacionalização da Marca: Consolidação de longo prazo

Como dissemos, há muitas vantagens na internacionalização da marca, porém há muito desafios e responsabilidades que sua empresa precisa levar em conta antes de tomar essa decisão.

Reforçamos nesse ponto como a organização é importante, não só de documentações, fiscais e jurídicas, como também uma organização industrial.

Pense em ingressar no comércio exterior como um planejamento de médio e longo prazo visando expansão e abertura de novos mercados, não como uma forma paliativa, ou “só para levantar o faturamento”, pois isso pode fazer a sua experiência ser negativa, e trazer prejuízos a sua marca.

Parcerias internacionais são construídas na base da confiança, e leva tempo para estabelecer esses laços com a comunidade internacional, por isso é preciso ter muita organização estrutural e legal, e uma marca forte e consolidada.

Trocando em miúdos, é possível que o retorno financeiro não venha instantaneamente, portanto é um investimento, com previsão de retorno a médio e longo prazo.

Esses são alguns desafios comuns a todas as empresas que ingressam no comércio exterior:

  • Desconhecimento dos processos
  • Barreiras culturais e comerciais diferentes
  • Capacidade de levantar recursos financeiros
  • Equipe qualificada

São esses os pontos principais que determinam o sucesso ou fracasso de um processo de internacionalização de marca, por isso a figura do profissional de comércio exterior é fundamental para tornar esse caminho mais assertivo.

No próximo artigo, para fechar o assunto, traremos os primeiros passos para te colocar mais próximo a internacionalização da sua marca. Fique ligado.