China

Nas últimas semanas publicamos a série sobre o RADAR, com tudo que você precisa saber para habilitar sua empresa e ingressar no mundo do comércio exterior, clique aqui para ver os 4 artigos da série.

E agora que você já sabe como colocar sua empresa nesse jogo, está na hora de saber quem são os principais jogadores, por isso nada melhor do que começar com um gigante em constante crescimento, a China.

Nos últimos anos, o país asiático tem se especializado em exportações, o que tem feito sua economia crescer num ritmo acelerado. Com a popularização dos aparelhos digitais, como smartphones, tablets e afins, o país se consolidou como maior do planeta em termos de produção e exportação.

O ecommerce da China trouxe proeminentes exemplos, como Ali Baba, Ali Express e Gear Best, sites que todo dia vendem e despacham produto para o mundo todo num volume absurdo de mercadoria. Para se ter uma ideia real de números, o site Alibaba bateu ano passado (2018) o recorde de vendas em um único dia, faturando mais 30 bilhões de dólares em apenas 24 horas.

Isso é mais do que toda a Black Friday dos Estados Unidos.

É impossível ignorar o poder comercial da China que cresce dia após dia e já tem incomodado outro gigante mundial, os EUA. (Em breve traremos um artigo falando sobre a atual guerra comercial entre os países.)

A China é o maior parceiro comercial do Brasil, os números de 2017 mostram que o volume de exportação brasileiras à China alcançou 50 bilhões de dólares, enquanto as importações ficaram em 28 bilhões de dólares, nos trazendo um superávit de 32 bilhões de dólares. (Falamos de superávit nesse artigo aqui). Em 2018 esse número cresceu para 64,2 bilhões de dólares em exportação, e 34,7 bilhões em importação. O nosso produto mais exportado para China é a soja triturada e isso também iremos abordar melhor num artigo específico sobre agronegócio, fique ligado no blog e assina a nossa newsletter para não perder nada.

É nítido que a relação comercial Brasil e China só tende a aumentar, mesmo com o acordo do Mercosul com a União Europeia. A parceria tem se mostrado lucrativa para ambos, portanto com a economia brasileira recuperando sua força, as transações serão cada vez mais frequentes.

Por isso, aqui no blog da Samerica Trade, vamos iniciar uma série falando mais sobre a China, sobre sua importância na indústria e sobre sua cultura. Negociar com os chineses requer um bom conhecimento sobre o comportamento cultural de seus habitantes, pois as diferenças são muito contrastantes das nossas e, um mal entendido na comunicação ou no comportamento pode pôr em risco uma negociação.

Fique atento ao blog e não perca as nossas valiosas dicas que vão te ajudar a entrar no mundo do comércio exterior, sabendo exatamente como extrair o melhor de cada país parceiro.

CLOSE
CLOSE