Estamos perto do final da nossa série de TOP 5 produtos importados em 2019, mas, apesar disso, ainda tem muita coisa legal para falarmos.

Hoje, no segundo lugar do ranking, estão os adubos e fertilizantes, que no ano passado representaram cerca de 5,6% de todo volume de importação do Brasil.

Vamos entender mais sobre os usos e os parceiros dos quais adquirimos esses insumos.

Boa leitura.

Para qual fim importamos?

O Brasil é famoso mundialmente pelo seu agronegócio, somos grandes produtores de soja, por exemplo, e isso requer um grande uso de adubos e fertilizantes, para agilizar a produção e garantir que teremos um bom volume do insumo para ser exportado e consumido internamente também.

Mas, ao longo dos últimos anos, a necessidade de importar esses insumos vem caindo aos poucos.

Por que importamos?

A produção nacional de adubos e fertilizantes ainda é muito pequena pela quantidade de plantações que temos. Ou seja, enquanto a produção agrária expande a passos largos, a tecnologia e equipamento para produção de adubos e fertilizantes, anda mais devagar, ocasionando em pouca oferta interna do insumo.

Resta então, a importação como saída para manter a produção agrária num ritmo que favoreça o consumo interno e a exportação. Contudo, nosso país tem investido em tecnologias, a fim de modernizar essa parte, por isso temos observado uma queda no volume de importação desse insumo nos últimos anos.

De onde importamos?

Pode parecer surpreendente, mas desta vez a China não figura como nosso maior fornecedor desses insumos. Quem mais exportou adubos e fertilizantes para o Brasil em 2019, foi a Rússia, responsável por cerca de 24% do volume importado no ano passado.

Na sequência vem Canadá, Marrocos, Estados Unidos e claro, a China, como nossos maiores fornecedores.

Conclusão

Para nós, o grande ponto a ser observado aqui, é que há um esforço nacional para que não dependamos tanto da importação desse insumo, e aos poucos consigamos alinhar a produção interna com nossa demanda. No mais, o que é importante notar, é que o Brasil tem relações de comércio com países de 4 continentes diferentes, que fornecem adubos e fertilizantes para cá. Isso não deixa de ser uma boa via de troca que pode abrir campo para negociação de outros produtos ou serviços, uma vez que temos esse canal estabelecido.

Esse é um insumo importante para o agronegócio, que é um setor fundamental para economia do nosso país, e já falamos sobre isso por aqui, vale conferir.