Há um tempinho atrás, trouxemos à baila o tema da Guerra Comercial EUA vs China e explicamos como começou e como estava esse embate.

De lá pra cara se foram alguns meses, então hoje é dia de entendermos em que pé anda essa batalha dos gigantes da economia mundial.

Até então, essa guerra não tinha ninguém em muita vantagem, uma vez que, apesar do crescimento econômico galopante da China, os Estados Unidos ainda estão firmes na liderança mundial. Porém, um dos catalisadores de toda a tensão entre os países, começou a sofrer na esfera política.

Donald Trump, presidente americano começou a passar por um processo de impeachment muito controverso, onde ainda não tem como cravar um desfecho. Esse é um processo muito complexo para abordarmos aqui, mas podemos revisita-lo num futuro próximo. Fato que é, que esse imbróglio tem arrefecido um pouco o discurso do líder dos Estados Unidos quanto as questões da guerra comercial com a China. Mesmo assim, as barreiras impostas por ele lá atrás tem segurado um pouco o avanço chinês.

Entretanto, nas terras da República Popular da China, nem tudo é um mar de rosas. O país vem enfrentando uma crise civil contra manifestantes de Hong Kong que lutam pela independência da província. Outro assunto extenso para falar aqui, mas de qualquer forma isso tem refletido nas negociações externas e na imagem do país perante o resto do mundo.

O que podemos dizer, é que essa guerra está longe de encontrar seu fim.

E aqui para nosso Brasil, os efeitos dessa disputa tem sido bem positivos. Nosso país tem se beneficiado do entrave sobre as commodities entre os gigantes, e principalmente a soja, cuja a qual os combatentes não chegam a um acordo sobre o preço. Isso faz com que o nosso país fique mais consolidado na posição de maior exportador e ainda caminha a passos largos para ser o maior produtor da oleaginosa. Segundo especialistas do mercado, a safra 2019/2020 deve superar as 120 milhões de toneladas.

Apesar de no momento estarmos usufruindo de benefícios quanto a soja, é importante entender que a instabilidade e as inúmeras possibilidades de desfecho dessa guerra comercial, podem trazer problemas no futuro. Por isso a importância de estar acompanhando e se atualizando sobre o andamento das negociações entre China e EUA, para ter o mínimo de planejamento para os próximos anos.

Contudo, alguns especialistas entendem que essa guerra não vai acabar tão cedo, e que poderá evoluir para uma disputa eterna com ambos se alternando na liderança. Isso é corroborado pelo fato dos países ainda necessitarem de recursos um do outro, mantendo ainda uma balança comercial ativa e volumosa, que hora pende para um lado, hora para outro.

Em última análise, a nossa recomendação é que você fique ligado aqui no blog para se atualizar desse embate, e assine nossa newsletter para receber em primeira mão os conteúdos que vão te ajudar a entender melhor o mercado e tirar o máximo de proveito disso.

WhatsApp chat