Não temos mais como fugir do assunto, o corona vírus tornou-se pandemia segundo a Organização Mundial da Saúde e todos seremos afetados direta ou indiretamente.

O Ministério da Saúde tem estado em constante campanha para diminuir a proliferação e conter o avanço do vírus, pois baseando-se no que aconteceu em outros países, temos maus exemplos, como a Itália que não deu a devida atenção no momento de conter e agora tem mais casos do que o sistema de saúde comporta.

Por outro lado, temos bons exemplos, como a Coréia do Sul, que implementou medidas de monitoramento, isolamento e acompanhamento para manter o espalhamento do vírus sob controle.

O impacto nas economias mundiais

Quando o Covid-19 (nome técnico ao qual esse vírus tem sido referido) chegou a China e aos Estados Unidos, as duas maiores economias do planeta já deram sinais de arrefecimento.

Principalmente na China, onde o Governo se viu diante de uma epidemia descontrolada. Industrias foram fechadas e a população em geral praticamente viveu um período em regime de quarentena. Isso comprometeu a produção e consequentemente as exportações.

Nos EUA, os portos começaram a passar por forte fiscalização e também houve uma diminuição nos volumes comercializados.

O Brasil sofreu primeiro com os impactos na economia antes mesmo de ter algum caso confirmado. Paralizações na bolsa e disparo no preço do dólar foram alguns sintomas que apresentamos por conta da pandemia.

Apenas no início de março foi confirmado o primeiro caso de Covid-19 aqui no país, e felizmente os órgãos responsáveis agiram rapidamente para identificar os focos de infecção e iniciar as medidas de contenção.

Prevenção é a salvação

Já sabemos que o vírus representa uma letalidade alta ao grupo de riscos, que envolve idosos, pessoas com problemas respiratórios crônicos, condições cardíacas e diabetes. Para os demais, seus efeitos são brandos. O grande problema é a velocidade de contágio, que faz com que o Covid-19 se espalhe além do que se pode prever com outros tipos de doenças respiratórias.

A contenção e o isolamento serve para que possamos evitar muitos casos simultâneos da doença, pois isso poderia causar um colapso no sistema de saúde, como aconteceu com a Itália. Como falamos no início, os esforços são para evitar os erros italianos e conseguir um cenário como o da Coréia do Sul, que tem conseguido retardar o avanço, garantindo que o hospitais consigam cuidar dos casos mais graves.

E o comex como fica?

Infelizmente, as medidas de contenção envolvem um período de isolamento da população, ou seja, muitas empresas suspendem suas atividades e, as que podem, colocam os funcionários para operar no home office.

Contudo, não é possível ter uma paralisação geral, pois as pessoas precisam de suprimento e já é confirmado que o vírus não sobrevive muito tempo no ar, então não tem como recebê-lo num produto importado da China por exemplo.

O que atrapalha o comércio exterior nesse momento, são as restrições portuárias e aéreas, que vão priorizar o tráfego de produtos de necessidade básica.

Mas não é momento para pânico, se seguirmos executando as recomendações, em pouco tempo conseguiremos conter a epidemia e voltar gradativamente com as atividades.

Evite sair de casa a não ser que seja extremamente necessário, lave bem as mãos constantemente, use álcool em gel e evite contato físico com terceiros. Se todos nos doarmos um pouco, em breve a situação estará contornada.

Enquanto isso, aproveite o tempo em casa, para planejar os passos de seu processo de comércio exterior e aproveite para ver todos nossos conteúdos aqui do blog que vão te ajudar nessa missão.

 

Lembrando: não deixe de seguir as orientações do Ministério da Saúde.

WhatsApp chat