Quem já convive há um tempo no mundo corporativo deve ter ouvido o termo compliance algumas vezes.

Compliance é um termo em inglês que, em tradução livre, significa conformidade. Nos negócios é representado por um conjunto de normas, atos e leis que a empresa, seus colaboradores e parceiros devem se enquadrar.

Normalmente é mais comum em grandes empresas, com vários setores. Porém, para quem quer operar no comércio exterior, o compliance torna-se um predicado muito bem quisto pelos possíveis parceiros.

Mas, antes de partirmos para o seu funcionamento no comércio exterior, vamos te ajudar a entender melhor a importância de ter um compliance e sua função para as negociações de uma empresa.

O papel do compliance

Se quisermos sintetizar, as principais funções de um compliance são: prevenção jurídica e atestar a credibilidade de uma empresa.

Em se tratando de Brasil, onde nos últimos anos infelizmente vivemos inúmeros casos de corrupção, o termo compliance começou a ganhar força por aqui. No exterior já é uma prática muito bem consolidada e até empresas pequenas possuem os seus próprios compliances.

Se aprofundando mais na questão, fica claro que ter um compliance pode livrar sua operação de vários problemas jurídicos e também criar um ambiente corporativo muito mais saudável para todos os envolvidos diretos e indiretos.

Na teoria, é um ramo da advocacia, e de fato envolvem contratos e normas bem detalhados, para que os colaboradores, fornecedores e até clientes, em alguns casos, aceitem esses termos para que a segurança jurídica e financeira de todos os envolvidos seja preservada.

Para grandes empresas que possuam um setor jurídico, é algo cotidiano que já está intrínseco nos processos, mas para os médios e pequenos, não é tão comum.

Na prática, os pequenos e médios empresários podem estabelecer também um compliance, em nível mais básico, utilizando os valores da empresa já definidos, para pautar a conduta de todos os seus integrantes.

Em linhas gerais, entendemos que o compliance é um conjunto de normas próprio da sua empresa, com as particularidades do seu segmento, todas contempladas por ele. Algumas regras de um compliance independem das leis federais, ou seja, cada empresa pode ter restrições particulares em seu conjunto de regras, com a finalidade de se proteger e se prevenir, seja financeiramente ou juridicamente.

Credibilidade e integridade

Internamente o compliance serve para que a empresa tenha uma organização bem definida, que possa integrar novos colaboradores e fornecedores facilmente no código de conduta corporativa do seu negócio.

Para o mercado, ter um compliance integro, transmite muita credibilidade para sua operação, e faz com que os clientes em potenciais enxerguem com bons olhos a sua empresa.

Por isso mesmo é importante não só ter um compliance, mas respeita-lo e segui-lo à risca acima de tudo.

Enfim, esperamos que você tenha conseguido absorver bem o conceito de compliance e já esteja considerando implementa-lo ou aprimora-lo, caso já tenha na sua empresa.

E no próximo artigo, vamos falar um pouco mais da importância do compliance no comércio exterior e quanto ele é fundamental para estabelecer relacionamentos corporativos duradouros e vantajosos.

Assine a nossa newsletter para não perder nenhuma novidade dos nossos conteúdos e confira o nosso podcast Sua Visão no Exterior.