Basicamente todo e qualquer conteúdo que ao ser transportado representa perigo a quem o manuseia, ao veículo ou ao meio ambiente, é considerado como carga perigosa. Na prática são vários níveis de periculosidade aos quais pode se categorizar uma carga, e é isso que vamos entender no artigo de hoje.

Boa leitura.

Embalagem, transporte e manuseio adequados

As cargas perigosas são divididas em classes, pois cada uma delas possuem características específicas que vão depender de um embalo correto, de um transporte indicado e do manuseio profissional com equipamentos de segurança.

Para usar um exemplo do nosso cotidiano, temos os caminhões que transportam combustível, que possuem uma estrutura própria para conter o líquido inflamável e no momento da descarga é necessário respeitar protocolos rígidos de segurança para evitar acidentes. Nesse caso específico, além do conteúdo ser inflamável, ele pode ser danoso ao meio ambiente caso vaze, podendo até contaminar lençóis freáticos.

As cargas perigosas são categorizadas nas seguintes classes:

  • Classe 1 – explosivos;
  • Classe 2 – gases;
  • Classe 3 – líquidos inflamáveis;
  • Classe 4 – sólidos inflamáveis;
  • Classe 5 – substâncias combustíveis e materiais oxidantes;
  • Classe 6 – substâncias tóxicas (venenosas) e infecciosas;
  • Classe 7 – materiais radioativos;
  • Classe 8 – corrosivos;
  • Classe 9 – mercadorias perigosas diversas.

 

Essas categorias devem vir em embalagens devidamente identificadas, nos seguintes grupos:

 

  • Grupo I: que indica um alto grau de risco da carga;
  • Grupo II: indica um grau médio de risco; e
  • Grupo III: indica um grau menor de risco.

 

Esses são os aspectos gerais que vão englobar as cargas perigosas, no mais, aos poucos vamos abordar mais a fundo cada uma dessas classes e grupos, no momento, o que você precisa entender é que para importação ou exportação desse tipo de produto, é necessário respeitar as normas de segurança que são estabelecidas mundialmente seguindo os critérios de caracterização da ONU.

 

Atenção a documentação

 

Como todos os processos do comércio exterior, a documentação é uma etapa importante, no transporte de cargas perigosas. Existem legislações específicas para cada insumo, o que aumenta ainda mais o nível de detalhamento do processo.

Os órgãos anuentes também são específicos nesse quesito, por isso em caso de importação, antes da carga perigosa atracar em algum porto brasileiro, o importador deve ter em mãos a FISPQ (Ficha de Informação de Produtos Químicos) e a ficha de emergência. Esses documentos podem ser providenciados com um agente de transporte ou um profissional de comércio exterior experiente que tenha o know how de todas as etapas do processo.

Enfim, cargas perigosas no comércio exterior fazem parte de uma categoria mais complexa e burocrática, principalmente quando se tratam de conteúdos que representam um perigo a saúde pública ou ao meio ambiente do país, nesses casos todo cuidado é pouco.

E cuidado também é importante para buscar um auxilio profissional, por isso na Samerica Trade, temos vasta experiência em agilizar documentações necessária para importação e exportação de cargas perigosas e demais cargas, com foco sempre em garantir a transcorrência ágil do processo.